top of page
curso audiência de instrução e julgamento criminal

TREINAMENTO 

AUDIÊNCIA DE INSTRUÇÃO E JULGAMENTO CRIMINLAL:

tudo que você precisa saber na prática para atuar com segurança.

Buscar

Com a confissão, juiz é obrigado a aplicar atenuante na sentença

Aqui vamos abordar decisão do STJ que determina que uma vez existindo a confissão, o magistrado obrigatoriamente deve aplicar a respectiva atenuante na sentença.


 
 
ADVOGADO CRIMINALISTA NA PRÁTICA

Importante decisão do Superior Tribunal de Justiça em direito penal.


Todo advogado criminalista deve ficar atento a esta decisão quando os seus clientes confessarem, uma vez que, pode ter aplicação nos seus casos práticos.


Um acusado confessou o crime durante o processo e ao proferir a sentença, o juiz não aplicou a atenuante da confissão (art. 65, III, "d", do CP):


Art. 65 - São circunstâncias que sempre atenuam a pena:
[...]
III - ter o agente:
[...]
d) confessado espontaneamente, perante a autoridade, a autoria do crime;
[...].

Segundo ele, como utilizou outras provas para condenar, sem mencionar a confissão, a atenuante não deveria ser aplica.


O STJ, por sua vez, determinou que havendo a confissão, a respectiva atenuante deve ser aplica por ocasião da dosimetria da pena, mesmo que o magistrado não a tenha utilizado na sentença:


O réu fará jus à atenuante do art. 65, III, “d”, do CP quando houver admitido a autoria do crime perante a autoridade, independentemente de a confissão ser utilizada pelo juiz como um dos fundamentos da sentença condenatória, e mesmo que seja ela parcial, qualificada, extrajudicial ou retratada. STJ. 5ª Turma. REsp 1.972.098-SC, Rel. Min. Ribeiro Dantas, julgado em 14/06/2022.

Assim, com a decisão, o STJ amplia a aplicação da súmula 545:


Súmula 545-STJ: Quando a confissão for utilizada para a formação do convencimento do julgador, o réu fará jus à atenuante prevista no artigo 65, III, d, do Código Penal.

Desta forma, uma vez existindo a confissão no processo, de forma obrigatória o magistrado deverá aplicar a atenuante da confissão (art. 65, III, "d", do CP), mesmo que não a use como fundamento para a condenação.


Caso queira aprofundar ainda mais os seus conhecimento na prática na advocacia criminal, conheça a nossa comunidade, toda semana novos materiais disponibilizados.


 

Luiz Ricardo Flôres é Advogado.

Comments


bottom of page